As sete luzes que definiram nossos dias


 

Existem diversos pontos luminosos no céu. Milhares de estrelas, algumas luas e planetas. Porém, sete desses pontos são especiais.

A segunda coleção da Nave – Luzes no Céu – aborda as sete luzes que mais influenciaram a humanidade. Nossos olhos traduziram essas luzes como entidades poderosas as quais deveríamos respeitar e temer. Comparadas com o resto das estrelas mais fracas e distantes, as sete luzes especiais eram fortes, constantes e faziam seu próprio caminho no céu, como se tivessem vida!

Elas nos ensinaram como navegar pelo tempo e pelo espaço:

O Sol definiu nossos dias;
A Luz definiu nossos meses;
Os planetas comandavam as estações do ano.

A noção do tempo condensado em um calendário, palatável para nosso entendimento, é uma peça fundamental para o desenvolvimento de nossa civilização. Imagina só não sabermos as horas, os dias, os meses? Como marcar encontros, definir metas e realizar grandes eventos?

As luzes também nos contaram onde estamos inseridos. No início do nosso entendimento, a Terra era um palco onde os humanos eram os atores e os deuses (as luzes) eram os críticos de nossas atuações. Hoje em dia elas nos ajudaram a situar nosso planeta no Sistema Solar. Como, por exemplo, a distância da Terra em relação ao Sol, que define drasticamente a possibilidade de surgimento e evolução da vida.

Esses ensinamentos fundamentais só foram transmitidos para nós, os primatas humanos. Nenhum outro animal desvendou os mistérios das luzes como o fizemos. Sendo assim, parecia óbvio que estas entidades olhavam por nós. Éramos o seu povo escolhido, talvez até tivéssemos sido criados por eles, à sua imagem e semelhança. Éramos, portanto, divinos, jogados em um planeta sobre o qual deveríamos reinar.

 

Saúdem as Luzes!